Ariquemes Notícias - Seu portal de notícias Ariquemes, Rondônia - 20 de Setembro de 2018

Siga!

Nosso RSS

Estrada de Ferro Madeira Mamoré comemora 87 anos de nacionalização.

Foi construída em 1907 para ajudar no escoamento da borracha do Brasil para a Bolívia.

Assessoria, 12/07/2018 09h25

E.F.M.M (Foto: Reprodução) Ampliar imagem: E.F.M.M (Foto: Reprodução)
E.F.M.M - Foto: Reprodução

A Estrada de Ferro Madeira-Mamoré (EFMM) é o mito fundador da cidade de Porto Velho. Foi construída em 1907 para ajudar no escoamento da borracha do Brasil para a Bolívia. O empreendimento é uma das memórias que ajuda a contar a história de Rondônia. Há exatos 87 anos passava a ser brasileira.

O historiador Dante Fonseca explica que, simbolicamente, a construção começa no dia 4 de julho de 1907 e segue até 1912, onde se faz todo percurso da linha de Porto Velho a Guajará- Mirim.

“O detalhe é que 1912 também é o ano em que começa a queda nos preços internacionais da borracha, isso tem muita ligação com a nacionalização da EFMM”, comenta o historiador.
Segundo ele, de 1912 a 1919 a Madeira Mamoré foi administrada pelos norte americanos, que utilizaram capitais de várias partes do mundo. Já entre 1919 até 1931 os ingleses começam a administrar a ferrovia, quando decidem suspender o tráfego, alegando que a EFMM estaria deficitária.

“Nenhuma ferrovia se sustenta com pouco tráfego, então com a queda da borracha, o principal produto, a razão de ser construída a ferrovia deixa de existir. Transporta-se muito pouco porque a borracha brasileira perde a competitividade, então eles suspendem as operações e o coronel Aluísio Ferreira, que era chefe do posto telegráfico em Porto Velho, comanda uma operação pra não deixar que as máquinas parem, e o governo do Getúlio Vargas estatiza a ferrovia”, explica.

Logo, a Madeira Mamoré foi construída por estrangeiros e no final o governo brasileiro pagou pelos gastos, se tornando proprietário de todo o patrimônio da ferrovia. A partir daí, no dia 10 de julho de 1931 a ferrovia deixou de ser americana para se tornar patrimônio brasileiro.

Orgulho e carinho
José Bispo, nascido em 27 de fevereiro de 1935, é considerado o trabalhador mais antigo da estrada. Ele começou a trabalhar na Madeira-Mamoré aos 17 anos. Atualmente é presidente da Associação dos Ferroviários da EFMM, e se lembra com orgulho e carinho das épocas de funcionamento das locomotivas, se esforçando para garantir que a memória não seja esquecida em meio às ruínas.

“Na Madeira-Mamoré eu entrei no dia 12 de junho de 1953 e até hoje tô por aqui. Já me aposentei, mas continuo lutando na colaboração, sendo um guardião da ferrovia. Eu fui bagageiro, eu fui chefe de trem, viajava de Porto Velho a Guajará-Mirim, aquele trem dando aqueles apitos saudosos, levando passageiro, mercadoria as estações aos pontos de parada. Isso dava muita alegria pra gente”, lembra seu José.

Ele pontua que o dia 10 de julho deve ser comemorado entre toda família ferroviária e comunidade rondoniense.

“Vamos recuperar ela [a estrada de ferro] até Santo Antônio, se Deus quiser. Eu tenho certeza que antes da minha morte eu vou ver esse trem apitando”, diz.
Saga para a construção da EFMM
Ainda de acordo com o historiador Dante Fonseca, a ideia de construção de uma ferrovia no trecho encachoeirado do Madeira vem desde 1861, quando em Cochabamba na Bolívia, foi fundada uma empresa de navegação no rio.

Mas a primeira tentativa de fato, se deu em 1872, através do empresário norte americano George Church, que contrata uma empreiteira inglesa com concessão para a construção da ferrovia.

“Mas não dá certo, eles não tem a mínima ideia do que vão encontrar aqui, vêm despreparados”, comenta o historiador.

Depois, em 1878, novamente Church faz uma tentativa, convida para Rondônia uma empreiteira norte americana.

“Também não dá certo, eles passam por muitos percalços principalmente relacionados às doenças tropicais, complementa, Dante.

Em 1905, o governo faz uma nova proposta de concessão para construção e quem ganha é um empresário brasileiro, o engenheiro Joaquim Catrambi, que logo depois vende para o norte americano Percival Farquhar. Esse compra a concessão em 1907 e começa a construir a ferrovia.

Estrada de Ferro Madeira Mamoré comemora 87 anos de nacionalização.

 

Estrada de Ferro Madeira Mamoré comemora 87 anos de nacionalização.

 

Estrada de Ferro Madeira Mamoré comemora 87 anos de nacionalização.

 

Estrada de Ferro Madeira Mamoré comemora 87 anos de nacionalização.

 

Tópicos: História
Compartilhe está noticia:       
 
 
Enviar comentário

(A quantidade máxima é de 400 caracteres para seu comentário) Restam 400 caracteres

Ao enviar seu comentário você aceita o termo de conduta dos comentários.

 

Eventos

4º Prêmio da ARJORE - Foto: Almi Coelho

4º Prêmio da ARJORE

Prêmio da Arjore - Associação Rondoniense dos Jornais Eletrônicos
 

Últimas notícias

Enquete

Qual dos Deputados Estaduais da Cidade você reelegeria?

 

Ariquemes Notícias - Seu portal de notícias Ariquemes Notícias - Seu portal de notícias
E-mail: recadao@ariquemesnoticias.com.br - contato@ariquemesnoticias.com.br voltar ao topo

 

© Copyright 2009 | 2018 - DC Comunicações Digital Política de privacidade Fale conosco  |   Anuncie conosco  |